28 de fev de 2011

SEGREDO P/ SUCESSO NA APRENDIZAGEM

O JOGO UM ESTÍMULO PARA INTELIGÊNCIA

Professora Carminha


             Conforme Piaget, o jogo propicia a construção do conhecimento, principalmente durante os períodos sensório-motor e pré-operatório.
             O jogo favorece o desenvolvimento físico, cognitivo, afetivo, social e moral.
             Sendo o jogo, uma das atividades característica da criança, ele é ideal para a aprendizagem. O jogo espontâneo da criança, por exemplo, é um contexto muito adequado para o educador estimular a criança a usar sua inteligência.
             Através do jogo, a criança fica mais motivada a utilizar sua inteligência, pois quer jogar bem e faz esforço para superar obstáculos, tanto cognitivo quanto emocional.  Por estar mais motivada durante o jogo também fica mais ativa mentalmente, nesta situação, do que quando está trabalhando em folhas de exercícios.
             Portanto, o jogo não pode ser visto apenas como divertimento ou brincadeira para desgastar energia e, sim, como um dos meios que levam o aluno a se desenvolver, construindo o seu conhecimento.

27 de fev de 2011

FREIO INIBITÓRIO – Brincadeiras

RÁDIO

* Formação em duplas: um será o rádio e o outro o operador;
* O rádio deverá escolher o lugar que liga e desliga ao ser
tocado; (quando ligado o rádio canta uma música);
* Variação: rádio vira robô, escolhe o lugar para ligar e andar,
desligar para parar. 

VÔO DAS BORBOLETAS

# De um lado as borboletas (alunos), de outro lado
 objetos representando as flores; a distancia de 5metros;
# Ao sinal da professora (já), correr na ponta dos pés,
 imitando borboletas voando em direção das flores;
# Ao som do apito parar (que o sol se pôs); 
#Ao sinal já, ontinuar até chegar um dos alunos nas ‘flores’.

ESTATUAS

- Formação em fila lado a lado;
- Um aluno na distância de 5m, virado de costas
 para seus colegas, contará de 1 a 10;
- Enquanto ele conta os alunos da fila, procuram
 se aproximar silenciosamente, ao dizer 10 todos
 viram estátuas, quem se mexer volta para o começo;
- Segue a brincadeira até um dos colegas tocar no aluno
que está contando.

26 de fev de 2011

 A dominância da lateralidade
e o aprendizado da leitura

             A lateralidade: refere-se à condição destra, canhota ou ambidestra. Isso quer dizer, a função ou atividade que realiza uma pessoa ocorre com mais frequência de um lado do corpo que em outro e tem a representação num hemisfério cerebral ou no outro. A criança é capaz de reconhecer direita-esquerda aos 6-7 anos de idade.
             A dificuldade de orientação e os problemas de leitura não passam de dois sintomas ligados a lateralidade. De acordo com Launay(1952), pode-se afirmar que em muitos casos de dislexia constata-se uma dominância cruzada da mão e da visão.
             A leitura de um texto é feita, graças a uma sucessão de movimentos oculares bruscos e ritmada, orientada obrigatoriamente da esquerda para a direita. Já os indivíduos ambivalentes, possuidores de coordenação cruzada (lateralidade cruzada), movem o olho só para um lado, ao passo que o braço tem tendência inversa.
             È fácil corrigir com exercícios a ação voluntária do movimento dos braços, mas a reeducação ocular necessita mais precaução e principalmente orientação de profissionais da área.   

OBSERVAÇÃO DA LATERALIDADE -Tarefas

TAREFAS A SEREM DESENVOLVIDAS PARA A OBSERVAÇÃO
DOMINÂNCIA DA LATERALIDADE

TAREFAS: DOMINÂNCIA MANUAL

  • Enfiar uma agulha grossa, utilizando cordão grosso encerado na ponta;
  • Enrolar e desenrolar um carretel;
  • Virar páginas de revistas;
  • Martelar;
  • Girar o trinco da porta;
  • Jogo: Posicionar 2 crianças, uma em frente à outra, com uma das mãos às costas e pedir-lhes que agarrem o mais rápido possível, uma bolinha que é colocada entre as duas.
  • Jogo de puxar o bastão: uma criança segura um bastão de revezamento pelas 2 extremidades, em atitude em pé semiflexionada; a criança que se quer observar deve puxar com uma das mãos, agarrando o bastão ao meio e tentando deslocar seu adversário; (observar a mão escolhida espontaneamente para a prova de força).
  • Arremesso pesado com uma mão: fazer 3 arremessos consecutivos com ambos os lados e comparar os resultados. OBS: se houver contradição entre o arremesso de força e o de precisão, deve-se considerar a dominância genética correspondente ao braço de força.

TAREFAS: DOMINÂNCIA OCULAR

a)      Olhar por um canudo;
b)      Olhar em binóculo fixo;
c)      Olhar em microscópio;

d)      Teste da folha de papel: Material: uma folha de papel consistente, medindo 15cm x 25cm, com um furo no centro, o qual deve ter 1cm de diâmetro. APLICAÇÂO: a criança deve ficar com os braços estendidos, segurando o papel com ambas as mãos e ir aproximando-o, lentamente, do rosto, para olhar um objeto que o examinador indicar, através da abertura do papel. Manter ambos os olhos abertos. O professor anota o olho escolhido e verificar se há constância nas respostas, dá o papel para ser seguro pela mão contralateral em relação ao olho escolhido e em seguida com a outra mão.


e)      Teste com lápis: O professor se coloca em frente à criança, a uma distancia de 3 a 5 metros. Pede-se a ela que agarre um lápis com uma das mãos e tente dirigir a ponta do lápis para o nariz do professor. Quando ela acatar essa ordem, observa-se que o lápis estará colocado diante de um dos olhos, o que corresponde ao olho dominante.

TAREFAS: DOMINÂNCIA DO PÉ

  • Chutar bola, mínimo 3 chutes;
  • Conduzir um objeto com um pé só;
  • Cruzar as pernas, (verificar qual a de cima);
  • Voltar-se quando chamado, (verificar por qual lado se volta);
  • Subir escada, (verificar o pé que inicia a marcha ao subir a escada).


OBS: para o professor

1)      Se a prova de dominância manual confirmar a de dominância de pé, a dominância assim observada pode ser considerada altamente verdadeira.
2)      Quando a dominância for homogênea, mão direita – olho direito, não haverá problema quanto à escolha da mão para a escrita. Igual para o lado esquerdo.
3)      Se houver discordância entre mão – olho, comunicar ao psicólogo ou médico as observações realizadas.
4)      Quando a criança tiver dominância do olho direito e da mão esquerda, preconiza-se o aprendizado da escrita à direita.


A IMPORTÂNCIA DE OBSERVAR A DOMINÂNCIA DA LATERALIDADE

             È muito importante, o professor de Educação Infantil e Anos Iniciais do Ensino Fundamental, observar qual é o domínio da lateralidade de seus alunos.
             Pois assim, terá o cuidado para não impor este ou aquele lado para exercícios de reforço da lateralidade com as crianças, como: jogos e atividades de expressão livre, exercícios de manipulação ou coordenação óculo-manual.
             Além do mais, o professor terá um conhecimento mais aprofundado do seu aluno, para ajudá-lo em possíveis dificuldades de aprendizagem e até mesmo informar, se necessário, a profissionais de outras áreas que atendem o aluno. 


LATERALIDADE CRUZADA

CARACTERISTICAS QUE APRESENTAM CRIANÇAS
COM LATERALIDADE CRUZADA

          Discordância entre mão – olho.
          Observou-se que quando há dominância direita ou esquerda perfeita, não há perturbação do esquema corporal e quando a lateralidade é cruzada, os distúrbios psicomotores são evidentes com deformação do esquema corporal.
          Características que apresenta a criança com lateralidade cruzada:
 Motoras: coordenação motora pobre, fatigabilidade rápida;
 Sono: apresenta com frequência, distúrbio de sono;
Aprendizagem: apresenta distúrbio de linguagem, dislalias, linguagem enrolada e rápida;
 Na escola: com freqüência, o profe. tem queixa de falta de atenção;
 Sociabilidade: apresenta agressividade;
 Emoção: apresentam intranquilidade, sensações de inadequação ou inferioridade;
 Outras: são desajeitados, desastrados – deixam cair objetos, caem muito, machucam-se, tem fraturas, queimaduras e cortes com mais frequência que as outras crianças.

25 de fev de 2011

PERCEPÇÃO ESPACIAL – Jogos

CORRIDA DOS JORNAIS

  • Dividir a turma em 4 colunas, nº iguais;
  • Distribuir 2 folhas de jornal para cada participante;
  • Ao sinal o 1º de cada coluna, coloca uma folha de jornal no chão e pisa sobre ela, coloca a outra e pisa sobre ela, assim por diante, até chegar ao lugar determinado pelo professor;
  • Os seguintes da coluna repetem o que fez o 1º aluno.

CONQUISTAS DAS BANDEIRAS

Ø      Material 4 bandeiras de cores diferentes;
Ø      Turma dividida em 4 colunas, formando uma cruz, com a frente para o interior de um círculo imaginário;
Ø      O 1º de cada grupo com uma bandeira na mão, ao sinal sai correndo ao redor do círculo e entrega ao 2º que repetirá, até que todos do grupo participam, todos correm no mesmo sentido.

CORRIDA DOS CONES

- Material: 2 arcos, 4 cones; desenhar no chão próximo aos arcos um X e nele colocar os cones;
- Dividir a turma em dois grupos, formação em colunas;
- Ao sinal o 1º de cada coluna vai correndo e apanha um a um os cones e coloca dentro do arco, depois volta ao lugar bate da mão do 2º da coluna, que irá retirar os cones e colocar no X, assim repete o jogo até todos participarem.




24 de fev de 2011


EXERCÍCIOS DIREITA / ESQUERDA

Professor de costas para a turma dá ordens que todos devem seguir:
* levantar o braço esquerdo... agora o direito;
* abaixar o braço esquerdo... agora o direita;
* todos em pé com a perna esquerda... dar 3 pulinhos;
* agora com a perna direita... 4 pulinhos para frente;
* logo a pós os alunos executam sem modelo;
* Obs: o professor cria outras ordens – executar sentado, de pé, de olhos fechados, etc.

CARANGUEJO

- Marcar uma linha de chegada;
- Formação em fileira lateral, posição de quadrupedia
 de lado (caranguejo), ao sinal se deslocar até a linha de
 chegada, quem sair da posição volta ao inicio.


A TEMPESTADE

* Formação sentados em círculo;
* Animador diz;
    -“Estamos num barco que se encontra no Rio Uruguai-(escolha do animador)!”
    -“Olá à direita...” – mudar de lugar com o colega da direita;
    -“Olá à esquerda...” – mudar de lugar com o colega da esquerda;
    -“Tempestade...” – todos trocam de lugar.
VARIAÇÃO: um aluno fica sem lugar, no centro do círculo,
 e procura sentar enquanto os outros trocam de lugar


22 de fev de 2011

                  Eu sugiro aos professores o trabalho com temas geradores, pois, foi através desta organização didática-pedagógica, que consegui obter participação de crianças com DI (deficiência intelectual) nas atividades propostas em sala de aula, este é um dos recursos que podemos utilizar para a inclusão.    

Motricidade Fina

OBS: estas atividades eu realizei com a Pré-escola e com crianças da Classe Especial – Deficiência Intelectual.

* Material para confecção do SAPO 


  • 1 tubo de papel higiênico;
  • Cola e tesoura;
  • Tinta guache;
  • Papel cartão da cor verde (pernas);
  • Retalhos de EVA, nas cores: vermelho, branco, azul... (para fazer a boca e olhos);
  • 1 retângulo de caixa de papelão, 10cm x 8cm (lagoa).

Trabalhos feitos pelas crianças da Classe Especial:

      Veja como uma aula pode ser produtiva, criativa e dinâmica, porque ainda podemos entrar na sequência de outra atividade que é o teatro de fantoches, que serve muito bem pra trabalhar outras habilidades na criança como: Expressão verbal, motricidade fina, criatividade etc.(Ver a postagem anterior sobre dedoches).


Motricidade Ampla

1-      BRINCADEIRAS COM BALÕES

v     Formação – cada criança com um balão de cócoras;
v     Desenvolvimento – como o sapo, saltitar tocando o balão com a cabeça, usar todo o local disponível para locomoção;
v     Saltitar, assoprando o balão, que está no chão;
v     Saltitar, tocando o balão com a mão direita, mão esquerda, com as duas mãos;
v     Deixar as crianças criarem outras atividades.

2- CORRIDA DO SAPO

* Duas colunas;
* Ao sinal, o 1º de cada coluna se desloca (como um sapo) até sua ‘comidinha’-‘a mosca’ (pode ser representada por qualquer objetos), pegando-a, volta aos saltos; passa a ‘mosca’ (objeto) para outro colega da mesma coluna, este leva de volta, e assim por diante.

3- O PULO DO SAPO

Ø      Em duplas, um atrás do outro;
Ø      Um dos componentes fica de cócoras no chão, o outro, colocando as mãos sobre as costas do seu companheiro, efetua o salto por cima do colega, ficando também de cócoras para que o outro possa imitá-lo.

4- O SAPO SAI DA LAGOA

o       Dispersos pela quadra, um aluno em cada círculo desenhado no chão, ficando, um aluno, sem círculo;
o       Quando o orientador disser: “ O sapo sai da lagoa”, todos devem trocar de lugar, e o aluno que está sem ‘lagoa’ irá disputar uma delas entre seus colegas.

5- TRILHA DO SAPO
§         Distribuem-se quaisquer objetos (tampinhas, caixinhas...) pelo espaço da brincadeira;
§         Os participantes deslocam-se como o sapo de diferentes formas: andar, saltar pedras, ‘comer moscas’;

6- LUTA DOS SAPOS

- Em duplas, de costas um para o outro, ficam de cócoras e entrelaçados com o companheiro;
- Ao sinal dado, os jogadores tentarão forçar os adversários a sentar no chão.

7- RODA CANTADA – O sapo não lava o pé


“O sapo não lava o pé,
Não lava porque não quer,
Ele mora pero da lagoa,
Não lava o pé, não lava o pé,
Porque não quer”.
VER MAIS NO LINK ABAIXO:
Coordenação Dinâmica Manual
                 


     




21 de fev de 2011

ELEFANTE COLORIDO

- Alunos caminhando livremente;
- Professora diz: “Elefante colorido”!
- Alunos perguntam: “Que cor”?
- A cor que a professora citar deve ser tocada
 em objetos, roupas ou coisas do ambiente.

ORQUESTA

  • Formação: em círculo, um dos alunos deve sair da roda, e ficar longe do grupo;
  • Os colegas do círculo escolherão um maestro que regerá a orquestra – fará o gesto de toque de instrumentos e todos devem imitá-lo; trocar de instrumento seguidamente;
  • O aluno que saiu, volta entra na roda e tenta descobrir o maestro, em 3 chances;
  • Se não acertar na 3ª chance, paga prenda.

BANDIDO, DETETIVE E VÍTIMA

Ø      Formação: em círculo, distribuir bilhetes (bandido, detetive e as vítimas-quantia de alunos); - o orientador é o leitor para os alunos;
Ø      O bandido deverá assassinar as vítimas com uma piscada;
Ø      A vítima quando perceber que piscaram pra ela sai da roda;
Ø      O detetive deverá descobrir o bandido;

ELEFANTINHO DIVERTIDO

  1. Espalhados pelo pátio;
  2. Um colega será o elefantinho, ele diz: “Eu sou elefantinho divertido”.
  3. Os colegas perguntam: “O que você quer”?
  4. Ele responde, por exemplo: “A colega mais alta ... baixa ... magra...”
  5. Os colegas indicam a criança que tem a característica citada ... Esta sai correndo para não ser pega pelo elefantinho divertido; estipular uma raia para a criança se salvar.  

18 de fev de 2011

*Responder perguntas:

- professor elabora perguntas simples para as crianças responderem, utilizando-se do gesto da cabeça para responder (sim ou não);
Por exemplo:
- Balde anda?
- Passarinho voa?
- Cadeira fala?
- Cachorro corre?...

*Trabalhar dedos:

-A professora diz o nome de todos os dedos, os alunos repetem.
-Os alunos com as mãos apoiadas na classe, levantar os dedos de um a um e dizer o nome, enquanto um dedo levanta os outros permanecem imóveis na classe.


*Trabalhar olhos:

-Material: uma vareta com fitas de papel crepom coloridos;
­-Alunos sentados, acompanham com os olhos, sem mexer a cabeça, a trajetória da vareta (reta, círculo, para cima, para baixo, esquerda/direita...)

*Trabalhar com canção:(fazer o que diz a canção)

Senta, levanta
E torna a sentar
Olhe pro lado
Outra vez levantar
Mão na cintura
Cabeça pro lado
Faz que vai
Mais não vai

17 de fev de 2011

   Voltando às aulas, as professoras devem estar preparadas para a recepção  das crianças que são o centro das atenções, sendo que algumas delas, é a primeira vez que chegam a uma instituição escolar. E vale lembrar que é preciso estar com atividades prontas para serem substituídas se for necessário.
Desejo a todos um ótimo Ano Letivo de 2011.
 

Modelos de lembrancinhas - Volta às Aulas

MODELOS PARA BAIXAR

DICAS PARA INTEGRAR A TURMA 
NA VOLTA ÀS AULAS
 
APOSTILA PARA BAIXAR

16 de fev de 2011

             É da natureza da criança gostar de ouvir falar de Deus – Criador de todas as coisas -  sendo notável a expressão de satisfação ao realizarem a oração, agradecimento ou pedido a Deus (Papai do Céu).
             Ano passado, tive uma experiência profissional em uma Classe Especial. Sempre começo a aula com uma oração e, na classe especial não foi diferente. Então, todos os dias após a acolhida fazíamos à oração. Os meus alunos apresentam transtorno de fala e linguagem, decorrentes da deficiência intelectual, sendo que, alguns balbuciam e outros repetem as palavras que conhecem.
             Para saber se o momento da oração era significativo para eles, escolhi um dia da semana e não realizei a oração (até o momento que houve manifestação), pois, passado um tempo da aula, depois do lanche dois alunos expressaram a vontade de fazer a oração, um deles falou: “Pode (profe) papai céu”!
             A partir deste acontecimento, constatei que o momento da oração é muito importante em uma aula, e é significativo à criança.

*O nosso ritual para a oração é: em círculo, às vezes de mãos dadas ou formamos uma ‘capelinha’ com as mãos.

*Uma das orações que faço com meus alunos:


ORAÇÃO
Bom dia (boa tarde) Papaizinho do Céu
A aula já vai começar
Estamos juntinhos a estudar,
Abençoe a nossa escola
E nossa família também.


CANÇÃO - cantar fazendo gestos

As estrelinhas que brilham lá no céu
Brilham, brilham pra louvar a Deus.

Os cavalinhos corem lá no campo
Correm, correm pra louvar a Deus.

Os peixinhos que nadam na lagoa
Nadam, nadam pra louvar a Deus.

Os cabritinhos que sobem na montanha
Sobem, sobem pra louvar a Deus.

Os passarinhos que voam pelos ares
Voam, voam pra louvar a Deus.

Somos filhos de Deus, filhos de Deus.
Deus é nosso Pai e nosso criador.






9 de fev de 2011

DESENVOLVER A MEMÓRIA AUDITIVA

CANTIGAS:

            O meu chapéu

O meu chapéu tem três pontas
Tem três pontas o meu chapéu
Se não tivesse três pontas
Não seria o meu chapéu.

OBS: Cantar a canção
-a 1ª vez cantar normal;
-na 2ª vez onde fala ‘chapéu’ fazer somente o gesto;
-na 3 ª vez onde fala ‘chapéu’ e ‘três’ fazer só o gesto;
-na 4ª vez onde fala ‘chapéu’, ‘três’ e ‘pontas’ fazer somente o gesto.

          Meu pintinho

Será que você sabe?
Será que você viu?
Um pintinho amarelinho
Que faz piupiu, piupiu.

OBS: Cantar:
*a 1ª vez normal;
*na 2ª vez “você” fazer o gesto;
*na 3ª vez “você e pintinho” fazer somente o gesto;
*na 4ª vez “você, pintinho e piu piu” fazer só o gesto.

O jipe do padre
3x [O jipe do padre fez um furo no pneu]
      Colamos com chicletes.

OBS: Cantar:
# 1ª vez normal;
# 2ª vez fazer o gesto do “jipe”-(gesto de dirigir);
# 3ª vez fazer o gesto do “jipe” e do “padre”;
# 4ª vez fazer o gesto do “jipe”, “padre” e “furo”-(som fuuuuu);
# 5ª vez fazer o gesto do “jipe”, “padre”, “furo”, "pneu"-(fazer o gesto de um círculo no ar) e  “chiclete”-(mascar o chiclete e gesto de colar no pneu).



8 de fev de 2011

A CRIANÇA E A FANTASIA

A CRIANÇA E A FANTASIA

Professora Carminha

             Para as crianças, o mundo cotidiano está entrelaçado com o mundo da imaginação e da fantasia. Elas adoram vestir-se e representar como seus personagens favoritos, criando histórias dramáticas sobre eles.
             Através da fantasia e da brincadeira, as crianças exploram os grandes temas fundamentais e o espírito da época, histórias sobre o bem e o mal, amor, mágica e poder.
Exploram o “mal” com os monstros, bruxas e gigantes, e brincam com as forças do bem, da magia e da transformação através das fadas, das feiticeiras boazinhas e dos sábios. Também experimentam as classes sociais e o poder brincando de rei e rainha, príncipe e princesa, líderes famosos e ricos, explorado temas heróicos, como super-heróis, com figuras de ação e soldados de brinquedo.
             Por isso, a criança vive em um universo cheio de fantasias prontas para serem criadas e recriadas de acordo com as suas necessidades.

5 de fev de 2011


MARUJOS

  • Professora risca duas linhas no chão, 2m de distância, uma representa o MAR e outra a TERRA;
  • Um aluno será o capitão que dará as ordens: 
  • - Ao mar pulando! (os marujos se dirigem a linha que representa o MAR);
  • - A terra correndo!
  • - Ao mar na ponta dos pés! 
  • ·        Cada capitão escolhido dá 3 ordens para os marujos; 
  • ·        O capitão não pode repetir ordem dada por outro;

MÃOZINHAS FALANTES

1.      Um jogador sai da sala;
2.      Os colegas escondem um objeto determinado;
3.      O jogador volta e procura pelo objeto...
4.      Quando ele se aproximar do objeto os colegas erguem as mãos e batem palmas fortes;
5.      Quando ele se afasta os colegas baixam as mãos e batem palmas bem fraquinho;
6.      Quando ele achar o objeto, escolhe outro para substituí-lo; 

JOGO EM CÍRCULO

Formação em círculo, cantar “Atirei o pau no gato”;
Um aluno de olhos vendados anda ao redor do círculo. Quando termina a canção ele coloca mão no que estiver na sua frente e pergunta: - “QUE GATINHO É ESSE”? O aluno responde: “MIAU”!
O aluno de olhos vendados deve dizer o nome do colega que fez o som.
Se acertar escolhe outro para ocupar seu lugar.

ESCONDE – ESCONDE O ANEL

Ø      Em círculo;
Ø      Um aluno sai, e caminha ao redor do círculo, ao som da música “PIRULITO QUE BATE, BATE”, acompanhado por palmas;
Ø      Enquanto isso, um dos alunos esconde o anel;
Ø      Aumentar ou diminuir o tom da música, à medida que a criança se aproxima ou se afasta do aluno que tem o anel;
Ø      Se o aluno descobre o colega que tem o anel, escolhe outro que ocupará o seu lugar.
MAIS SOBRE PERCEPÇÃO AUDITIVA NO LINK ABAIXO
COGNIÇÃO E A PERCEPÇÃO AUDITIVA

3 de fev de 2011


A criança precisa orientar-se, situar-se no tempo.

História em sequência

      Colar gravuras numa ordem lógica temporal:
* uma semente – broto – árvore;
* um bebê – criança – jovem – adulto – velho;


Dado de Histórias

Atividade com música:
Ø      Em círculo, passando o dado, quando parar a música, o aluno que estiver com dado joga no chão, a cena que cair será a história que será ordenada em seqüência;
Ø      Depois de ordenadas às cenas, o aluno, que atirou o dado, cria uma história para contar aos colegas, os colegas podem ajudar a inventar a história; 


Agrupar
Agrupar meios de transportes, quanto a sua velocidade;
Agrupar animais, quanto a sua locomoção – velocidade;


Observar
Diferentes maneiras de medir o tempo: relógio, calendário, etc.


Executar
Seguindo ordens da professora: executar movimentos rápidos, lentos, comparando o tempo para a mesma quantidade de movimento.


Conversa informais
O que realizou ontem, hoje;
O que fará amanhã ... de manhã, a tarde e a noite.

2 de fev de 2011

CACHORRO E CASA
  1. Os alunos em formação de círculo, em pé e pernas afastadas (casa) e alunos em 4 apoios entre as pernas do colega (cachorro);
  2. A ordem da professora: Cachorros correndo, correndo, já correndo para casa;
  3. Outra ordem: Casa sai correndo, correndo, casa volta para o seu cachorro, enquanto as casas corrrem os cachorros ficam parados em seus lugares;
  4. Depois se inverte os papéis. 

LAVADOURA DE ROUPA
v     Dividir a turma em grupos de 5 elementos e os numera de 1 a 5;
v     O número 1 deve pegar o número 2 que está de mãos dadas e o restante do grupo o protegerá, num movimento semelhante à máquina de lavar;
v     Após, o número 2 deve pegar o número 3, e assim por diante até todos participarem da brincadeira;
v     Os participantes não podem soltar as mãos.


BRINCADEIRAS DOS BONECOS
Ø      Dividir os alunos em 3 grupos;
Ø      1 grupo maior de bonecos.
Ø      2 grupos menores: um os donos dos bonecos e o outro grupo os ladrões;
Ø      Os ladrões tocarão os bonecos e dirão: anda!
Ø      Os donos tocarão e dirão: parem!
Ø      Os donos tentam deter os bonecos antes que cheguem a um lugar determinado pela professora.

;;